Cogestão está suspensa de 27 de fevereiro até 7 de março e municípios em bandeira preta passam a ter regras mais restritas

Foto: Felipe Dalla Valle / Palácio Piratini

O governador Eduardo Leite decidiu na tarde desta quinta-feira (25), pela suspensão da cogestão, que permitia que os municípios adotassem protocolos da bandeira anterior a que foi classificando, sendo assim regras mais brandas.

A decisão por suspender a cogestão a partir do próximo sábado, 27 de fevereiro, até o outro domingo, 07 de março, se deu por conta do aumento de número de casos, de óbitos e de hospitalizações.

De acordo com a secretária da Saúde do Estado, Arita Bergmann, neste mês de fevereiro o número de recuperados vem
caindo e o de óbitos vem crescendo. Segundo ela, “No RS, já são 4.925 pacientes internados por covid. Esse número equivale a população de 230 municípios gaúchos. 60% dos pacientes que chegam na UTI morrem e esse número hoje está aumentando, e considerem que muitos não chegarão a leitos de UTI, porque nós não teremos leitos de UTI”, afirmou a secretária.

O presidente da Associação dos Municípios do Litoral Norte (Amlinorte), Flori Werb, prefeito de Itati, participou da reunião e afirmou que todos os prefeitos dos 23 municípios seguirão a decisão.

“Nós da Amlinorte, mesmo que não concordando, nós somos parceiros, para que assim seja. Aqui na Amlinorte com certeza você tem soldados e devido a isso, nós vamos fazer um pedido. Devido a bandeira preta, vai aumentar o número de pessoas no Litoral, então nós gostaríamos de fazer uma solicitação: a extensão da nossa Operação Golfinho. Isso já nos ajudaria muito, nos aliviaria muito, neste mês de março. Porque não adianta as medidas se a gente não puder ajudar o senhor a torná-las reais”, solicitou Flori Werb.

COMPARTILHAR