Relatório da CPI da Covid-19 deve ser votado pelo Senado nesta terça (26)

O Senado Federal deve votar nesta terça-feira (26) o relatório sobre a CPI da Covid-19, apresentado pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL). O parlamentar propôs o indiciamento do presidente Jair Bolsonaro porque, na visão dele, o chefe do poder Executivo cometeu nove crimes, entre eles prevaricação, crime contra a humanidade e disseminação de Fake News. Para o cientista político Valdir Pucci, a expectativa é de que o G7, grupo de senadores majoritários da CPI, acompanhe a opinião de Renan Calheiros. “Como hoje a maioria da comissão é formada por parlamentares que apoiam o relatório, que trabalharam em oposição ao Governo Federal durante a CPI, a chance maior é de aprovação do relatório do senador Renan e todas as denúncias ali apresentadas”. Com a aprovação, o inquérito seguirá para o Procurador-Geral da República, Augusto Aras, que vai analisar e decidir se aceita ou arquivar as denúncias contra o presidente. Para o senador Álvaro Dias (Podemos-PR), a CPI cumpriu um bom papel social, mas, na visão dele, houve excessos. “Ofereceu a transparência necessária para que esses fatos pudessem ser do conhecimento da população brasileira”. Com a leitura do relatório, os parlamentares da oposição agora querem pressionar o Procurador-Geral da República a tomar atitudes severas contra o presidente Jair Bolsonaro. Essa pressão deve acontecer porque Aras e Bolsonaro são amigos. Caso o procurador arquive as denúncias, os senadores vão denunciá-lo por prevaricação. Pucci acredita que dificilmente os senadores insistam em denunciá-lo, mas se isso ocorrer, Augusto Aras pode sofrer impeachment. “Uma vez feita a denúncia, cabe à mesa diretora do Senado Federal analisar esses pedidos e, mediante à constituição dos fatos, vão pedir uma análise da Procuradoria-Geral do Senado, e aí tem-se 48 horas. A Casa deve constituir uma comissão Especial para analisar o pedido de impeachment”, explica o cientista político. 

Em resposta, por meio do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, o Governo Federal afirmou que não é negligente no combate à doença e que o Brasil está entre os países que mais vacinaram pessoas contra a Covid-19. Também disse que o número de novos casos de morte e infecção cai todos os dias. A Procuradoria-Geral da República só vai se manifestar sobre a CPI da Covid-19 quando receber o inquérito.

 

Por Luis Ricardo Machado
Rede de Notícias Regional /Brasília
Foto: Senador Álvaro Dias
Crédito da foto:  RNR / Brasília

COMPARTILHAR