Já está valendo o Pix Saque e o Pix Troco

O Pix Saque e o Pix Troco, permite saque de dinheiro em espécie em estabelecimentos comerciais - Foto: Marcello Casal Jr Agência Brasil

A partir desta segunda-feira, 29 de novembro, a população terá mais uma opção para sacar dinheiro além do caixa eletrônico e agência bancária. Agora, passam a valer duas novas modalidades do Pix: o Pix Saque e o Pix Troco, que permitem saque de dinheiro em espécie em estabelecimentos comerciais em que o cliente já faz compras como lojas, padarias e supermercados, por exemplo.

De acordo com presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, a nova funcionalidade será gradualmente disponibilizada pela rede varejista.

Para fazer o saque pela ferramenta, basta que o cliente envie um Pix para o estabelecimento, utilizando o mesmo processo de envio de um Pix normal, a partir da leitura de um QR Code mostrado ao cliente ou a partir do aplicativo do prestador do serviço. Mas, nesse caso, a loja vai repassar o valor integral do Pix em dinheiro para o cliente.

No Pix Troco, o processo é bastante parecido. O cliente faz uma compra, efetua o pagamento com Pix, mas num valor superior ao das mercadorias ou serviços. O estabelecimento devolve em dinheiro o valor excedido.

Limites

O limite máximo das transações do Pix Saque e do Pix Troco é de R$ 500 durante o dia e de R$ 100 à noite, entre 20h e 6h. No entanto, os estabelecimentos terão autonomia para ofertarem limites menores, caso considerem mais adequado e seguro.

Os clientes podem fazer até oito operações de Pix Saque ou Pix Troco gratuitas. Já o comércio que disponibilizar o serviço vai receber uma tarifa que pode variar de R$ 0,25 a R$ 0,95 por transação. O pagamento será feito pela instituição financeira onde o usuário que fizer o saque tem conta.

1 ano de Pix

O sistema de pagamento instantâneo do Banco Central completou um ano neste mês de novembro. “O Pix caiu no gosto do brasileiro e seu uso se intensifica mês após mês. O Brasil é o país que teve adesão de meios de pagamento instantâneo mais rápida no mundo, quando consideramos o número de transações per capita”, comemora o presidente do Banco Central.

De acordo com dados do Banco Central, em um ano de funcionamento, o volume de transações pelo Pix foi bastante expressivo. Em outubro, o sistema de pagamentos instantâneos movimentou R$ 502 bilhões, contra R$ 25,1 bilhões liquidados em novembro do ano passado. Segundo o Banco Central, 75% das transações do Pix em outubro ocorreram entre pessoas físicas, contra 87% no primeiro mês de funcionamento.

“A quantidade de Pix já supera a de outros meios tradicionais, como transferências intrabancárias, como Ted, Doc, cheque, boleto, cartão pré-pago e débito direto, ficando atrás apenas de convênios de arrecadação, cartão de débito e cartão de crédito”, enfatizou Roberto Campos Neto.

COMPARTILHAR