Com foco no Litoral Norte, Forças de segurança fiscalizaram cerca de 220 locais por descumprimento do decreto para suspensão de atividades entre 22h e 5h

Ações entre a noite de sábado (20) e a madrugada de domingo (21) desmobilizaram 110 aglomerações e 30 festas clandestinas

Fiscalizações para coibir aglomerações conforme determina novo decreto ocorreram em todo o Estado - Foto: Rodrigo Ziebell / PM5

No primeiro dia de validade da suspensão de atividades não essenciais entre 22h e 5h, como medida preventiva para refrear o avanço da pandemia da Covid-19, as forças da Segurança Pública do Estado fiscalizaram cerca de 220 estabelecimentos comerciais em todo o RS.

A Brigada Militar – com apoio da Polícia Civil, do Corpo de Bombeiros Militar, das guardas municipais e de agentes de vigilância sanitárias de prefeituras –, iniciou o trabalho às 22h de sábado (20) com presença ostensiva nas ruas e abordagem nos pontos de atividade não essencial que se mantiveram abertos após o horário estabelecido. Com a chegada dos policiais, as pessoas se retiravam dos locais e os estabelecimentos eram fechados.

Em todo o Rio Grande do Sul, a BM registrou a atuação em 110 ocorrências de dispersão de aglomerações e 30 ocorrências de encerramento de festas clandestinas. Em Osório, o 8º Batalhão Polícia Militar (BPM) dispersou uma festa irregular com cerca de 50 pessoas na beira da Lagoa dos Barros, com sonorização automotiva. Seis veículos foram recolhidos por perturbação do sossego público, devido aos equipamentos de som instalados. Os participantes da festa não usavam máscaras de proteção, foram identificados e responderão pelo crime de infringir determinação do poder público destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa.

A maior necessidade de ações se concentrou no Litoral Norte, com 179 locais. No centro de Tramandaí, Nova Tramandaí e balneário de Oásis do Sul, o 2º Batalhão de Policiamento de Área Turística (2º BPAT) empregou quatro policiais militares em duas viaturas, juntamente com dois guardas municipais e dois fiscais da prefeitura para fiscalizar 95 estabelecimentos comerciais que estavam abertos após as 22h. Foram abordadas 444 pessoas.

Em Imbé, 18 estabelecimentos foram fiscalizados e 93 pessoas abordadas pelo trabalho de quatro policiais militares, três policiais civis e quatro fiscais da prefeitura.

Em Capão da Canoa, 12 policiais militares em cinco viaturas, juntamente com oito fiscais da prefeitura e policiais civis, fiscalizaram 17 bares, restaurantes, pizzarias e similares, sendo abordadas 474 pessoas nesses locais.

 

No município de Xangri-lá, uma guarnição da Brigada Militar – com quatro PMs e apoio de cinco fiscais da prefeitura – fiscalizou seis estabelecimentos com 56 pessoas no total.

Em Arroio do Sal, a Brigada Militar e fiscais da prefeitura estiveram em 33 estabelecimentos, com cerca de 400 pessoas nesses locais.

Em Torres foram empregadas duas viaturas da BM com quatro brigadianos, com apoio de agentes da Guarda Municipal e fiscais da prefeitura, sendo fiscalizados 10 locais de comércio abertos após as 22h, com cerca de 200 pessoas.

Além da fiscalização, a BM patrulhou a beira-mar das praias, orientando pessoas a não se aglomerarem nos calçadões. Após o esvaziamento das faixas de areia, guarnições permaneceram no local até 5h para garantir o cumprimento do decreto.

Em 53 casos, houve necessidade de registro de boletins de atendimento e termos circunstanciados em estabelecimentos que descumpriam a determinação de suspensão das atividades entre 22h e 5h. Na capital, as forças de segurança também estiveram mobilizadas, mas praticamente não houve casos de funcionamento de atividades não essenciais após o horário estabelecido, tendo sido realizado apenas um registro de atendimento pela BM.

Também houve anotação de descumprimentos da ordem nos municípios de Capão da Canoa (11), Alvorada (10), Sapucaia do Sul (7), Bento Gonçalves (4), Tupanciretã (4), Iraí (3), Pelotas (2), Santa Maria (2), Sobradinho (2), Venâncio Aires (2), Cristal do Sul (1), Erechim (1), Esmeralda (1), Santa Maria do Herval (1) e Santo Augusto (1).

Texto: Jussara Pelissoli/CRPO Litoral

COMPARTILHAR