ONG MAX corre o risco de encerrar suas atividades no Bairro Figueirinha

A ONG Max, atualmente, é mantida com recursos doados por empresários e pessoas da sociedade civil, para a realização das suas atividades. FOTO: Divulgação ONG MAX

A ONG MAX – Movimento Assistencial de Xangri-Lá, é uma Organização Social, sem fins econômicos, focada no atendimento a crianças, adolescentes e famílias em situação de risco e vulnerabilidade social do Bairro Figueirinha no município de Xangri-Lá/RS.

A ONG MAX surgiu no bairro Figueirinha, através da sensibilidade de pessoas engajadas na causa de crianças e adolescentes em situação de risco social.

O perfil do público atendido pela entidade é basicamente de famílias fragilizadas socioeconomicamente, residentes em casas precárias, geralmente com duas ou três peças, na sua maioria chefiada por mulheres que são as responsáveis pela economia familiar.

Este público está exposto aos riscos sociais e ao enfrentamento das situações de violação de direitos como, trabalho infantil, exploração sexual, dependência química, evasão escolar, maus tratos, já que não possuem lugar seguro/protetivo enquanto seus responsáveis, na maioria suas mães, buscam o sustento da família.

Muitas famílias no bairro Figueirinha convivem nos bolsões de miséria (áreas verdes ocupadas), sem condições de suprirem suas necessidades básicas: alimentação, saúde, educação e moradia, ou seja, problemas decorrentes da desorganização do espaço urbano, da degradação ambiental, da falta de segurança, do acesso à justiça, agravado pelas baixas oportunidades de trabalho e geração de renda.

Esta situação acaba refletindo nas condições de vida das crianças e adolescentes, o que ocasiona com que muitas delas tenham de se submeter ao trabalho infantil como forma de contribuição no sustento da família. Conforme dados, segundo Unicef (2007), são milhares as crianças submetidas ao mundo da exploração, violência e dependência química, devido à pobreza e à falta de uma educação adequada.

O município de Xangri-Lá, apresenta índices alarmantes de pobreza e exclusão, gerados pela desigualdade social. O Bairro Figueirinha trata-se de uma região extremamente carente.

A busca das famílias, no bairro Figueirinha por atividades para seus filhos, tem crescido de forma expressiva de forma que a estrutura, as atividades e os voluntários são insuficientes para dar conta de um trabalho social preventivo e de proteção que precisa ser desenvolvido nesta comunidade.

A atual diretoria da Entidade tem buscado de maneira incansável apoio nos órgãos públicos, como prefeitura e câmara de vereadores de Xangri-Lá, para a manutenção da ONG no bairro, mas infelizmente não tem obtido sucesso.

Chegando ao seu 4º ano de atuação o MAX é uma referência para esta comunidade e está ameaçado de encerrar as atividades por falta de recursos.

Atualmente a ONG não possui sede própria e está atendendo, uma vez por semana, as crianças e famílias  do bairro na sede social da Polícia Rodoviária na Estrada do Mar.

A entidade recebeu apoio da Corporação da Polícia Rodoviária na Estrada do Mar para a utilização da Sede Social da Polícia na realização das atividades da ONG no bairro Figueirinha.

 

Angelita Fernandes /

Atualmente a ONG não possui sede própria e está atendendo, uma vez por semana, as crianças e famílias do bairro na sede social da Polícia Rodoviária na Estrada do Mar. FOTO:Divulgação ONG MAX

movimentoassistencial@hotmail.com

COMPARTILHAR