Inter cede empate em pênalti polêmico

Inter de Rodrigo Moledo ficou no empate no Rio A Folha do Litoral

O empate entre Vasco x Inter, em 1 a 1 na noite dessa sexta-feira, em São Januário, pelo  Brasileirão 2018, foi marcado por muitas reclamações dos colorados, devido ao pênalti de Víctor Cuesta em Kelvin, marcado pelo árbitro auxiliar, que estava atrás do gol, em favor dos cariocas, aos 46 minutos do segundo tempo. O lance gerou o gol de empate do Vasco e fortes protestos dos jogadores e da comissão técnica do Inter contra o sexteto de arbitragem. Com o resultado, o Inter se afasta cada vez mais das chances de título em 2018.

Em uma partida entre iguais, cariocas e gaúchos fizeram um jogo fraco no Rio. Com o desfalque de Damião, o treinador colorado Odair Hellmann, escalou Rossi no seu lugar, sem muito sucesso.

Aos 12 minutos, o Inter ainda contou com a sorte para não ter uma pênalti anotado contra a sua defesa. Víctor Cuesta saltou com o braço aberto e acertou com o cotovelo o rosto de Leandro Castan. Apesar das reclamações vascaínas, o árbitro nada marcou. Aos 26 minutos, Willian Maranhão bateu de longe e Marcelo Lomba se esticou todo para espalmar a escanteio.  Fabrício, lateral-esquerdo que foi mandado embora do Beira-Rio depois de devolver com os dedos médios os xingamentos da torcida colorada, cobrou falta e o Inter foi salvo de novo por Lomba, depois de Cuesta cometer falta perto da área.

No segundo tempo, logo aos dois minutos, Lomba salvou de novo. Pikachu recebeu às costas de Iago, e bateu de primeira, mas o goleiro colorado teve reflexo suficiente para buscar. Um raro momento de lucidez colorado foi a arrancada de Rossi pela direita, um cruzamento na área, onde Patrick cabeceou totalmente desequilibrado, para cima, com a bola caindo atrás do gol. Aos 11 minutos, um chute a gol. Rossi armou a jogada e encontrou Edenilson, que bateu para a defesa de Martín Silva.

Percebendo o crescimento do rival, Odair alterou o Inter no minuto seguinte, com a entrada de Jonatan Álvez na vaga de Rossi. O Inter levou perigo quase que de imediato. Depois de certa pressão, Edenilson chutou em cima da marcação e a bola sobrou para Álvez. O centroavante chutou firme, só que a zaga colocou o pé e bloqueou. Odair mandou também Wellington Silva a campo, no lugar de D’Alessandro. E aí brilhou a estrela do treinador. Com o jogo mais aberto, o Inter enfim passou também a ter presença ofensiva. E dos pés dos dois jogadores que saíram do banco saiu o gol. Aos 39, Wellington entrou na área pela esquerda e bateu cruzado. Martín Silva deu rebote e a bola foi de encontro a Álvez, que bateu e mandou para o fundo das redes.

O Vasco foi para cima na base do desespero, até que veio o lance polêmico. Aos 44, Kelvin caiu em dividida com Cuesta dentro da área. O árbitro marcou pênalti. Depois de muita reclamação, Maxi López bateu no canto oposto de Lomba e colocou água no chope do Inter. O colorado reclama do lance da origem do pênalti que o árbitro não marcou falta no atacante Nico López, quando esse tinha um contra-ataque e teria possibilidade de definir o placar a favor do Inter. Devido a toda confusão Rodrigo Dourado levou cartão amarelo e Edenilson no fim da partida foi expulso.

Quer receber A Folha do Litoral no seu e-mail?

Cadastre seu nome e e-mail e receba a edição semanal do jornal A Folha do Litoral para ler no seu tablet, smartphone ou na web.

I agree to have my personal information transfered to MailChimp ( more information )

Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.

COMPARTILHAR